sábado, fevereiro 26


Para uma construção dos anos 60, a arquitectura em Moçambique ,
estava uns passos à frente da "tradição colonial"

5 comentários:

Bárbara Vale-Frias disse...

Desde há muito que esta igreja é conhecida na família como "o espremedor de citrinos" :)))

Em 1999, quando voltei a Moçambique, não resisti a tirar uma fotografia junto a esta obra visionária :)

João Azevedo disse...

Isto não é uma questão de resistir à foto. Acho que é obrigatório em visita ao Maputo, rever esta obra e verificar o quanto está bonita e bem conservada. Estive ali em 2004 e tive ocasião para visitar esta belíssima obra, com os seus altares interiores e o aspecto referido de "espremedor", estilo acompanhado no interior.
Visita recomendada.
João Azevedo

Carlos Indico disse...

morava a 50 metros.

Carlos Manuel Guttendorf Cipriano disse...

A cena é que os Portugueses, mesmo nos anos 60 nao pensaram que um dia Mocambique e as outras colónias viriam a ser independentes. Ao contrário dos outros colonialistas, os Portugueses construiram, os outros extraíram as riquezas das colónias.
Por isso vemos um Kenya ou um Gabao ou até mesmo um Zimbabwe, sem grandes construcoes coloniais. Mas hoje Nairobi, por exemplo é uma cidade moderna, com arranha-céus e tudo. Claro que há lá também muita pobreza, mas isso foi também culpa do colonialismo relativamente à política de Educacao. Mas nao vale a pena queixarmo-nos disto ou daquilo; vale sim a pena, contribuir como pudermos para o engrandecimento num novo tempo, desta terra maravilhosa que é Mocambique. Agradeco aos criadores deste espaco virtual esta iniciativa. Um grande abraco para todos, Carlos Cipriano (Mocuba) - Frankfurt am Main.

Anónimo disse...

humm nice obra essa por dentro e por fora, bem conservada, morro perto dela e num m canso d a apreciar. mt linda esmo. forma pa kem teve a iniciativa d abrir este blog ta mt lindo, belas imagens d moz e necessario, nosso pais nao e so pobreza sem beleza; ai ta uma das provas grande arquitetura bjnx